sábado, 4 de dezembro de 2010

“Um olhar que me trouxe um sorriso”

O teu sorriso, o teu olhar inocente

é como um perfume inspirador e sonhador,

a tua beleza é estrondosa e encantadora,

criadora de fantasias e ilusões,

tudo sensações que já há muito que não sentia e que não desdenho…

O teu sorriso é lindo, é uma cólera inquietante em mim,

que me deixa sem rede, mas como já vivi momentos inquietantes,

a experiência e a idade fala como a razão, não sei se é o certo ou errado,

mas provavelmente nunca o saberei...

pois tudo se move numa transparência, numa verdadeira inocência,

em que não existe certeza de nada, só a minha ilusão e o meu sonho,

escamoteando a verdade, mas quem sabe qual é a verdade,

a verdade é que não quero voltar a sofrer

mais uma vez neste jogo de sedução perigoso,

em que de certeza serei o elo mais fraco que sairá magoado no fim!

O teu sorriso penetra em mim e ficou gravado como se fosses uma sereia,

tal como uma onda do mar, sei que vens e desapareces,

talvez só até à próxima onda, sei lá eu? sei lá eu se te vejo novamente?

passaste deixas-te a tua marca e desapareces-te,

ou fui eu que desapareci por medo de seres verdade? Pois!

é um paralelismo que não consigo encontrar a resposta,

deixando apenas esta saudade que rápido se desvanece no tempo,

porque não coincide com o teu, o teu tempo!

e por isso vai passando e apagando o teu sorriso da minha mente

como se fosses uma princesa que pinto no meu desenho

mas que logo a seguir passo uma borracha e apago,

que aparece e desaparece do desconhecido como se fosse ar,

talvez como tu... a rapariga dos meus sonhos, serás?

Ai se elas existissem, tu eras a minha provavelmente, a minha Princesa…

Como esses teus olhos lindos e desconcertantes

me deixaram louco de sede e sem ar para amar

que me encantaram e paralisaram

que me puxaram para a fantasia e o sonho!

Até quando estarás na minha memória… muito breve, muito breve, eu sei!

Tudo aparece no seu tempo certo, penso eu? Dizem!

e se tu nunca mais apareceres ou eu nunca mais apareci

é porque o destino não era este

não era o tempo certo para apareceres e eu também

e o sonho se foi... e tu também e eu para aqui fiquei!

Francisco Júnior – 27 de Outubro de 2010

"Dedico a um sorriso qualquer, era apenas um simples sorriso que se cruzou um dia por min ao acaso que eu agradeço muito, obrigado pelo sorriso! um sorriso faz tão bem às vezes!) "

1 comentário:

OZNA-OZNA disse...

esta asturiana sin esperar ser molestia se queda en tu bella morada cuajada de cultura, sensibilidad y bellisimas letras, un besin muy grande.